Publicações > Artigo

Compartilhe

Análise econômica do uso de biocarvão na produção de soja na Polônia

A soja (Glycine max L.) é uma das mais importantes comodities cultivadas globalmente. O biocarvão tem sido proposto como uma alternativa para auxiliar na produção sustentável de soja. No entanto, estudos abrangentes que incluem tanto os aspectos econômicos da produção de soja quanto do biocarvão são escassos. A Polônia, com uma economia amplamente baseada na agricultura, é um caso interessante para investigar a relação custo-benefício do uso de biocarvão na produção de soja. Este estudo mostra que o uso de biocarvão em taxas de 40, 60 e 80 t /ha não é lucrativo em comparação com um corretivo de solo tradicional, como a fertilização NPK. O preço de equilíbrio para o biocarvão ser economicamente viável deve ser de US $ 39,22, US $ 38,29 e US $ 23,53 para 40, 60 e 80 Mg /ha de biocarvão, respectivamente, enquanto o custo do biocarvão usado para este experimento foi de US$ 85,33. O período de retorno para doses de 40 e 60 Mg /ha foi estimado em três anos. Com um subsídio de sequestro de carbono de US$ 30 por tonelada de CO2, o uso de biocarvão pode ser lucrativo no primeiro ano de produção de soja. Esta é a primeira análise econômica abrangente do uso de biocarvão na produção de soja na Polônia e uma das poucas publicadas em todo o mundo.

Eficiência do uso de biochar (em toneladas de soja por hectare, eixo Y) de casca de girassol (BA) e cavacos de madeira (BB). Eixo X indica as doses de biocarvão usadas no experimento. Wilks Lambda = 0,67323, F (12, 606,17) = 8, 1485, p = 0,00000.

Colaboradores Relacionados (3)