Análises Econômicas

No campo de análises econômicas, destacam-se alguns projetos, como o “Projeto Funbio: Análise econômica da cadeia produtiva da recuperação da vegetação nativa na região do mosaico de Unidades de Conservação da Mata Atlântica Central Fluminense, no âmbito do Programa Biodiversidade e Mudanças Climáticas na Mata Atlântica, coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente. Este projeto consiste na análise de viabilidade financeira de diferentes modelos de recuperação da vegetação nativa, com o objetivo de adequação ambiental das propriedades rurais da região, buscando identificar modelos economicamente viáveis para produtores rurais como a possibilidade de renda proveniente das áreas recuperadas, tais como receitas derivadas de produtos agrícolas, madeireiros e não-madeireiros, bem como estratégias para a promoção da recuperação em larga escala.

O projeto de Estudo de Economia dos Ecossistemas e da Biodiversidade (TEEB) - Bacia do Rio Paraíba do Sul - Porção Paulista/São Paulo - A Economia dos Ecossistemas e da Biodiversidade (The Economics of Ecosystems and Biodiversity) é uma iniciativa global focada na integração dos valores da biodiversidade e dos serviços ecossistêmicos na tomada de decisões. Apresentando uma ampla gama de benefícios proporcionados pelos ecossistemas e biodiversidade, mas não esquecendo o olhar no que diz respeito aos termos econômicos relacionados. O TEEB de São Paulo quer contribuir para uma gestão mais eficiente e coerente dos recursos naturais da Bacia do Rio Paraíba do Sul – Porção Paulista e, simultaneamente, fomentar o desenvolvimento local e sustentável na Bacia, rompendo o ciclo de degradação da região.

O projeto “Desenvolvimento Rural Sustentável (PDRS)” da Secretaria de Estado do Meio Ambiente de São Paulo. E o subproduto Desenvolvimento Rural Sustentável na Bacia do Rio Paraitinga, desenvolvido pelo IIS, foca no desenvolvimento rural sustentável na Bacia do Rio Paraitinga (São Paulo), baseando-se em uma análise multicritério, assim como um diagnóstico dos principais usos da terra e dos serviços ecossistêmicos da região. O objetivo é propor alternativas produtivas e políticas públicas, como atividades de uso da terra de maneira sustentável a longo prazo, além da inclusão social dos produtores da região através do aumento da competitividade da sua produção.

O projeto “Restauração florestal e apoio à rede de viveiros de mudas nativas na Mata Atlântica” nasceu em 2015 de uma parceria com a Associação Mico Leão Dourado (AMLD) para atuar em projetos voltados à conservação da Mata Atlântica, em Casimiro de Abreu/RJ, onde está localizada a sede do AMLD e é o habitat natural do mico-leão-dourado, espécie que sofre risco de extinção. Com foco no monitoramento do reflorestamento e nos experimentos com espécies nativas da Mata Atlântica, utilizamos o biocarvão como condicionador do solo e que pode contribuir com a redução na emissão de gases de efeito estufa, apresentando-se como ferramenta econômica e ambientalmente sustentável, uma vez que aumenta a produtividade de cultivos e mitiga problemas ambientais globais através do sequestro de carbono.

Já o projeto “Aumento da produção agrícola concomitante à prevenção do desmatamento – Análise do Estado do Mato Grosso” trata-se de um estudo com objetivo de informar as estratégias de REDD+ (Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal, mais Manejo Florestal Sustentável) sobre possíveis mecanismos para conciliar a expansão agrícola e evitar o desmatamento, compreendendo os desafios de implementação com enfoque nos requisitos financeiros e na gestão dos riscos potenciais e mecanismos de financiamento. Concentra-se tanto ao nível do produtor, investigando necessidades financeiras, e em um nível de execução mais ampla, discutindo possíveis e viáveis mecanismos de financiamento. Trata-se de uma iniciativa com escopo internacional, com projetos na América Latina, África e Sudeste da Ásia. O IIS coordenou a análise para o Brasil, concentrando-se no estado do Mato Grosso. Neste estudo, reproduzimos o conceito de "Land-Neutral Agricultural Expansion" (Strassburg, 2012), que permite aos agricultores demonstrar que a expansão agrícola não causou qualquer impacto direto ou indireto sobre os ambientes naturais. Em um contexto de incentivos relacionados com o desmatamento evitado, este mecanismo permite que aqueles que o implementarem possam reivindicar créditos de desmatamento evitado. Na ausência de tal mecanismo, ele ainda pode ser usado para demonstrar compromisso com as metas de sustentabilidade, seja para ganhar acesso a mercados específicos ou para atender o seu compromisso com a sustentabilidade ou o de seus parceiros.

Parceiros Relacionados (9)

World Wide Fund for Nature (WWF) Banco Mundial FBDS UNEP/WCMC USP Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo - SMA/SP Ministério do Meio Ambiente - Governo Federal (MMA) World Wide Fund for Nature (WWF) Fundo Global para o Ambiente