Publicações > Artigo

Compartilhe

Áreas de importância global para a conservação da biodiversidade terrestre, carbono e água

Para atender aos objetivos ambiciosos das convenções sobre biodiversidade e clima, a comunidade internacional exige clareza sobre como esses objetivos podem ser operacionalizados espacialmente e como alvos múltiplos podem ser perseguidos simultaneamente. Para apoiar o estabelecimento de metas e a implementação de estratégias internacionais e planos de ação, l é necessária uma orientação espacial para identificar quais áreas têm o potencial de gerar as maiores sinergias entre a conservação da biodiversidade e as contribuições da natureza para as pessoas.

Bernardo Strassburg, diretor executivo do IIS, é coautor do estudo publicado no periódico Nature Ecology & Evolution que apresenta os resultados de uma otimização conjunta que minimiza o número de espécies ameaçadas de extinção, maximiza a retenção de carbono e a regulação da qualidade da água, e classifica as prioridades de conservação terrestre globalmente. O estudo descobriu que selecionando 30% e 50% das áreas prioritárias, conservaria respectivamente 60,7% e 85,3% do estoque total de carbono estimado e 66% e 89,8% de toda a água limpa, além de cumprir as metas de conservação para 57,9% e 79% de todas as espécies consideradas.

Os dados e priorização sugerem ainda que a conservação adequada de todas as espécies consideradas (vertebrados e plantas) requeririam a conservação de cerca de 70% da superfície terrestre. Se a prioridade fosse dada apenas à biodiversidade, a gestão de 30% das áreas prioritárias para a conservação poderiam ser suficientes para cumprir as metas de conservação para 81,3% das espécies terrestres de plantas e vertebrados consideradas. Os resultados fornecem uma avaliação global de onde a terra poderia ser gerenciada de maneira ideal para conservação. E ao final, os autores discutem como tal estrutura de priorização espacial pode apoiar a implementação da biodiversidade e convenções climáticas.

Áreas de importância global para a conservação da biodiversidade terrestre, carbono e água. Todos os recursos foram otimizados em conjunto com peso igual dado a cada característica (o ponto central na série de segmentos na Fig. 2) e classificado das áreas mais valiosas (1-10) a menos (90-100) para conservar globalmente. O gráfico do triângulo mostra até que ponto protegendo os primeiros 10% e 30% das áreas terrestres globais (as áreas marrom escuro e amarelo no mapa) contribui para minimizar o número de espécies ameaçadas, armazenando carbono e garantindo água limpa. As percentagens no gráfico do triângulo referem-se ao proporção de todos os alvos de espécies alcançados (Fig. 3) ou o déficit médio de carbono e água. O mapa está com resolução de 10 km em uma projeção de Mollweide. Jung et al 2021.

Colaboradores Relacionados (1)

Parceiros Relacionados (1)

IIASA