Compartilhe

Amazônia 2030

Dada a importância e urgência de ações voltadas para superação de desafios globais como a mitigação das mudanças do clima e a crise da biodiversidade, o período de 2021 a 2030 foi declarado pela Organização das Nações Unidas como a Década da Restauração de Ecossistemas.
No Brasil, a meta estabelecida através do Plano Nacional de Recuperação da Vegetação Nativa (PLANAVEG) é de recuperar 12 Mha de vegetação nativa em todos os biomas brasileiros até 2030. Diante das elevadas taxas de desmatamento anual e com o potencial de regeneração natural em paisagens ainda majoritariamente conservadas, a recuperação florestal na Amazônia se destaca como uma agenda urgente a ser implementada em uma abordagem de gestão integrada de paisagem, associada ao combate ao desmatamento e à degradação florestal, assim como à adoção de boas práticas agropecuárias.

O projeto Amazônia 2030 é uma iniciativa de pesquisadores brasileiros para desenvolver um plano de ações para a Amazônia brasileira que tem como objetivo prover condições para que a região possa alcançar um patamar maior de desenvolvimento econômico e humano e atingir o uso sustentável dos recursos naturais em 2030. Para isso, estão sendo levados em conta os aspectos econômicos, humanos e ambientais, aprofundando os estudos nas questões críticas e sistematizando as soluções para o desenvolvimento sustentável da Amazônia. Como resultado do projeto será elaborado um conjunto de recomendações precisas para adoção imediata por tomadores de decisão privados e públicos, além de agentes de cooperação e investimento internacional, contexto no qual que o IIS está inserido.

Ao lado de outras instituições, o IIS vem contribuindo com o projeto Amazônia 2030 na indicação de áreas prioritárias para restauração que possam maximizar os benefícios para a biodiversidade e mitigação das mudanças climáticas, minimizando os custos. A primeira fase do projeto, que conta com a parceria do IIS, foi iniciada em janeiro de 2021 e será encerrada em dezembro de 2021.