Publicações > Relatório

Compartilhe

Análise econômica da cadeia produtiva da recuperação da vegetação nativa na região do mosaico de Unidades de Conservação da Mata Atlântica Central Fluminense

Apesar dos benefícios, recuperar a vegetação de uma área gera custos diretos e indiretos, tanto pelas atividades de recuperação em si como pelo custo de oportunidade da terra, que são os potenciais retornos de usos alternativos da terra. Considerando que a maior parte das áreas que precisam ser recuperadas estão dentro de propriedades rurais e que os custos da recuperação recaem sobre o proprietário, viabilizar economicamente a recuperação da vegetação nativa em larga é um grande desafio (Crouzeilles et al., 2017). Assim, faz-se necessário explorar o potencial de retorno econômico de projetos de recuperação, isto é, como gerar receitas com a atividade e não apenas custos para os proprietários de terras. A vinculação da recuperação com a produção de alimentos, madeiras e produtos florestais não madeireiros para comercialização, assim como, o recebimento de Pagamentos por Serviços Ambientais (PSA) são algumas formas potenciais de gerar receitas (Brancalion et al., 2012).

Para fomentar a recuperação da vegetação em larga escala é preciso realizar um planejamento espacial e territorial, priorizando áreas e selecionando os modelos e métodos mais adequados para a diversidade de contextos socioeconômicos e ambientais, tanto em nível regional quanto local (Rodrigues et al., 2009), e que se adequem aos anseios do produtor.  O ganho de escala da recuperação depende, portanto, da estruturação e fortalecimento da sua cadeia produtiva, em especial nas áreas indicadas como prioritárias para recuperação da vegetação nativa.

Nesse contexto, foi desenvolvido o estudo Análise econômica da cadeia produtiva da recuperação da vegetação nativa na região do mosaico de Unidades de Conservação da Mata Atlântica Central Fluminense. O estudo foi realizado em 3 etapas: i) diagnóstico das atividades de recuperação da vegetação nativa; ii) análise econômica de modelos de recuperação da vegetação nativa e iii) análise econômica da cadeia produtiva de recuperação.

As análises realizadas contribuem para a otimização de esforços, aumentando o impacto e a efetividade das ações de recuperação da vegetação nativa. Os resultados do projeto indicam modelos de recuperação adequados às diferentes necessidades da região do MCF e apontam ações necessárias para fortalecer a cadeia da recuperação na região. Os resultados poderão ser replicados em outras regiões da Mata Atlântica em futuros projetos.

O estudo foi desenvolvido no âmbito do Projeto Biodiversidade e Mudanças Climáticas na Mata Atlântica, coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) no contexto da Cooperação para o Desenvolvimento Sustentável Brasil-Alemanha, no âmbito da Iniciativa Internacional de Proteção do Clima (IKI) do Ministério Federal do Meio Ambiente, Proteção da Natureza, Construção e Segurança Nuclear (BMUB) da Alemanha. O projeto conta com apoio técnico da Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH e apoio financeiro do KfW Banco de Fomento Alemão.

Colaboradores Relacionados (14)

Parceiros Relacionados (2)

Federal Ministry for the Environment, Nature Conservation and Nuclear Safety of Federal Republic of Germany Ministério do Meio Ambiente - Governo Federal (MMA)